segunda-feira, 23 de junho de 2014

Pois bem.


Pois bem, estou aqui. Depois de muitos ápices e escorregadores. Passando por muitos Rounds, porém, consciente de que por mais próximo que o nocaute esteja, você sempre pode receber um golpe fatal, mas nunca final. Não por enquanto. Não enquanto ainda houver o que eu fiz meu hino mental "mas é claro que o sol vai voltar amanhã". Posso estar parecendo depressiva, mas é apenas um estilo natural. Assuntos aleatórios presos no retalho de um post. Em meio a tanto bombardeamento de indiretas, é bom manter sua direção focada. Tornou-se tão banal ver um "fulano está se sentindo triste/magoado" e apenas rolar a página; claro que há suas entrelinhas. No mesmo contraste que sentimentos pessoais são compartilhados sem zelo para mais de 1.000 "amigos". Cadê a doçura do mistério? Cadê o enigmático pudor ao tentar desvendá-lo? Por que pessoas idiotas são as que mais abusam de sua liberdade de expressão. Por que vejo o além, e também vejo o ontem aos meus olhos. Mas às vezes me sinto inclinada a primeira opção e às vezes, ao vazio que há no meio delas. Tornou-se tão fácil mentir com o olhar. É lindo ver que ainda não foram tão subestimados, mas tornou-se tão fácil manipulá-los. É mais comum olhar para uma câmera do que perceber um profundo ás de tristeza das pessoas ao redor.