quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Never forget?


Eu tinha MUITA coisa para escrever, mas acho que se perderam. Pensamentos que se transformam em palavras não ditas. Apenas sentidas. O resumo de um passado tentando se explicar em uma noite. Toda a dor em lágrimas que escorreram em uma hora. O perdão já foi dado, antes mesmo da dor acabar, mas nada ainda tinha sido explicar, e muito do tudo não foi. Me pergunto se algum dia será. Não me preocupo com o tarde demais. Tudo que se refere ao passado já é. 

É como arrumar uma gaveta com documentos ou fotos antigas. Mesmo que pareçam não ter mais importância na sua vida atual, fica tudo mais claro. E simples assim. Mesmo que nada que vala apena seja simples, as atitudes sempre são. Os pensamentos envolta disso que não. Conversar. Arrumar. Ir. Dizer. Tudo soa como coisas banais, mas quais são os significados para você? O oposto disso, tenho certeza. Quer dizer, certeza nunca tenho. Nem de mim quanto mais de você. Quanto mais dessa vida e se meus planos dariam certo. Se eu tentasse. Se eu apagasse esse "se" do começo e fizesse o que o resto manda. Só quero aliviar minha mente de toda dor que meu peito já perdoou. 

Muitos dizem que o caminho da razão é para os covardes que tem medo da dor. Na verdade é para os tão valentes quanto que têm de enfrentar todos os desafios de quem segue o coração, mas sem sentir, ou ignorando o que sente. O coração perdoa, mas a mente não esquece. Isso não é ruim, apenas depende da maneira que você usa. Não esquecer pode significar guardar rancor tanto quanto caminhar com a lição aprendida. The choice is completely yours, good luck, good life.